Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

domingo, 16 de julho de 2017

"É uma infantilidade o que está a acontecer na Guiné-Bissau," diz Eneida Marta



Cantora guineense apresenta-se este sábado (15.07), em Lisboa. Em entrevista à DW África, Eneida Marta fala em sonho por uma Guiné-Bissau democrática e apela à classe política a não brincar com o futuro do país.

A cantora guineense Eneida Marta nasceu em Bissau, numa época auspiciosa - em que o seu país se preparava para proclamar a independência de Portugal. Quarenta e cinco anos depois, a liberdade, tal como o amor, marcam as suas canções. E, nesta senda, não se distancia do dia-a-dia da Guiné-Bissau. Não fala de desilusão, porque canta muito a parte positiva do seu país natal.

Eneida Marta apresenta-se na noite deste sábado (15.07) no Anfiteatro Aberto da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. A artista, filha de pai cabo-verdiano, será acompanhada pelos músicos Juvenal Cabral (baixo), Olívio Gonzalez (piano e teclado), Ibrahima Galissa (kora), Iuri Oliveira (percussão) e José Debray (guitarra semi-acústica), e mostra seu último álbum "Lôpe Kai, Nha Sunhu", ao público lisboeta.

Em entrevista à DW África, a artista fala sobre a situação política da Guiné-Bissau.

DW África: Inquieta-se com o clima de crispação que se vive no país há já largos meses.

Eneida Marta (EM): Bastante, porque vejo que as pessoas estão a pôr os interesses pessoais em primeiro lugar do que o interesse do país. Nua e crua, digo que é uma infantilidade aquilo que está a acontecer. As pessoas estão a lutar pelo seu bem-estar, porque aquilo que me passa é que, se estiverem no poder [acham que] é uma carreira ou uma profissão. Mas não é uma profissão. 'Estás aí para servir o povo, para o bem do povo, e não para servir os interesses próprios'. Infelizmente, as pessoas estão a lutar por um rebuçado e estão a brincar com o futuro do país.

DW África: E acha que a classe política não tem noção disso?

EM: Êpa, se têm não demonstram, infelizmente.

DW África: Como cidadã, fazendo parte da sociedade civil, propõe alguma solução útil para se ultrapassar a crise política institucional?

EM: Não seria apresentar uma solução, mas sim fazer um apelo: que crescessem. E que pensassem que, aquilo que acontecer ao nosso país vai refletir-se nos filhos, nos netos e por aí fora. Hoje, eles podem não estar a perceber aquilo que está a acontecer porque têm tudo. Quando dói um dente a um filho, mandam para o dentista no estrangeiro. Mas, à frente, isso vai custar. Daí o apelo para que crescessem.

DW África: Culpa alguém em concreto, ou acha que cada guineense tem a sua quota-parte?

EM: Todos têm a sua quota parte [de responsabilidade]. Se calhar, até eu. Porque talvez não esteja a fazer aquilo que deveria estar a fazer, mas não de propósito. Talvez por alguma ignorância minha. E cada um de nós guineenses tem a sua culpa nisto. Eu costumo dizer, não tenho lados, não tenho partes. Eu estou pela Guiné-Bissau e pelos meus irmãos.

DW África: Mas os guineenses, sobretudo os jovens que marcham pelas ruas de Bissau, estão inconformados com a crise que se arrasta?

EM: Lá está, o país está totalmente dividido. E também, nós não temos essa cultura de marchas [de protesto]. O guineense é um povo super, ou altamente, conformado com o que tem. Infelizmente num sentido e felizmente noutro. Porque se fossemos inconformados também, se calhar, poderíamos estar numa guerra civil. Quem sabe? Mas também dou graças a Deus termos essa parte pacífica e, então, isso das marchas não faz mesmo parte da nossa cultura. Consigo perceber porque é que eles não conseguem movimentar a massa: Porque a pessoa acorda de manhã [e pensa], marcha, calor, então as pessoas desligam-se totalmente daquilo e conformam-se.

DW África: No seu último álbum fala de sonhos. Há esperanças de que esta crise será ultrapassada?

EM: Sim, sem sombras de dúvidas. Até porque eu consigo tirar coisas positivas dessa crise que está a acontecer na Guiné-Bissau. Tudo o que seja conquistado de uma forma fácil, no futuro, acaba por não ter uma sustentabilidade, acaba por não ter um alicerce consistente. Acho que, nesta fase, é necessário passarmos por isso para que as pessoas aprendam. Eu acho também que a Guiné-Bissau entrou na democracia sem saber o que é a democracia. Então, isto está a servir realmente para que as pessoas saibam, porque a população não está preparada para a democracia. E os nossos próprios políticos, também acho que não estão preparados para a democracia. É um percurso que tinha que acontecer. Claro que sim, é um país que tem muito para dar e eu acho que estamos mesmo na fase final de toda essa brincadeira.

Apesar disso, é com mensagem de otimismo que Eneida Marta sobe ao palco, esta noite, no jardim de verão da Fundação Gulbenkian, depois de ter participado, em maio deste ano, no Afrika Festival em Würzburg, na Alemanha. A trabalhar já no próximo álbum, a cantora guineense inicia, em Portugal, uma série de concertos pela Europa, através dos quais se propõe a mostrar a identidade musical da Guiné-Bissau, cruzando géneros locais - como o gumbé com o jazz.

João Carlos (Lisboa) | Deutsche Welle

Sem comentários: