Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

domingo, 16 de julho de 2017

ARAÚJO VIANA (1871-1916): TALENTO E PIONEIRISMO NOS PAMPAS



Carlos Roberto Saraiva da Costa Leite* | Porto Alegre | Brasil

“Não morre aquele que deixou na terra a melodia de seu cântico na música de seus versos”.
 Cora Coralina (1889-1985)
   
No dia 10 de fevereiro de 1871, há 146 anos, nascia, em Porto Alegre (RS), o talentoso músico e compositor José de Araújo Viana.  Filho do português João de Araújo Viana e da gaúcha Maria José Felizardo Viana, ele demonstrou sua aptidão musical, desde cedo, dedicando-se ao estudo do piano. Ao completar 10 anos, Juca - como era chamado no reduto do seu lar - passou a estudar com o mestre Grunwald. Com apenas 12 anos, surpreendeu os pais ao demonstrar o seu desejo de viajar à Itália, visando ao seu aprimorando musical. A ideia não teve o apoio da família, que, naquele momento, preferiu contratar o professor Thomaz Legory a permitir a viagem do filho adolescente.

Em 1889, ano da Proclamação da República, Araújo Viana se apresentou, numa audição pública, realizada pela Sociedade Filarmônica Porto-Alegrense, executando apenas um número musical.  Um ano depois, em 14 de junho de 1890, faleceu a figura paterna. A família não sofreu revés econômico, pois havia acumulado um patrimônio composto por imóveis e pela herança dos avós maternos da tradicional família Felizardo.
  
 A viagem ao exterior

A boa situação econômica possibilitou que o jovem músico concretizasse um antigo desejo: conhecer a Itália.  Chegando a Milão, no ano 1893, com 22 anos, aprimorou seus estudos, no famoso Real Conservatório, onde assistiu às aulas dos mestres Amintore Galli (1845-1919) e Vincenzo Ferroni (1858-1934).  Após dois anos, retornou a Porto Alegre, embora não tenha  concluído o seu ciclo de aprendizado. A experiência vivenciada, na Europa, fez com que Araújo Viana assumisse a sua verve de compositor.

A sua inquietude por novas experiências não lhe permitia permanecer somente em Porto Alegre, ele buscava frequentar os locais das cidades, onde houvesse novidades e intensa vida cultural, a exemplo de Buenos Aires, Rio de Janeiro, São Paulo e Montevidéu. No Rio de Janeiro, finalmente, veio a publico a sua primeira composição, “Ave Maria”, que foi apresentada na Igreja do Outeiro de Nossa Senhora da Glória. Na cidade carioca, fazia parte de seu convívio, entre outros nomes, os músicos Francisco Braga (1868-1945) e o não menos conhecido Alberto Nepomuceno (1864 -1920). No período de 1896 a 1911, Araújo Viana viajou outras vezes à Europa.

Atuação cultural em Porto Alegre

No dia 02 de abril de 1897, o Clube Haydn, localizado à Rua Dr Flores, em Porto Alegre, realizou o concerto de estreia do nosso compositor. Esta sociedade musical era a continuação do Instituto Musical Porto - Alegrense, que havia sido fundado em 1897, mas de existência efêmera. Este instituto foi criado por artistas amadores, do qual fazia parte Araújo Viana. No ano seguinte, na capital gaúcha, Araújo Viana apresentou uma primeira audição de fragmentos do “Réquiem em Ré Menor” do Padre José Maurício Nunes Garcia (1767-1830).

Quando nos visitavam músicos nacionais e internacionais, Araújo Viana os apresentava à sociedade local. Primeiro os conduzia até o Bazar Musical, localizado na Rua dos Andradas, popularmente conhecida como Rua da Praia. Neste local, o seu proprietário José Gertum recebia as novidades, na área musical, oriundas dos grandes centros culturais do Brasil e do mundo. Ali se reuniam e trocavam ideias os grandes nomes da época.

A descoberta da partitura da Ópera Carmela

O hábito de frequentar o Theatro São Pedro, fundado, em 1858, para assistir às companhias líricas, era sinônimo de status e elegância. O professor e pesquisador Décio Andriotti - um profundo conhecedor desta temática em nosso Estado - em seu artigo “A Música no Rio Grande do Sul / Uma síntese Crítica ”, registrou que, a partir da metade do século 19 até a outra metade do século 20, a ópera foi o gênero musical preferido pelos gaúchos.  Em seus garimpos históricos, Andriotti descobriu, em 1994, na Biblioteca Pública do Estado, a partitura da famosa Ópera Carmela, que foi encenada em outubro de 1902, da autoria de Araújo Vianna, constituindo-se, na época, num sucesso retumbante.

A partir da descoberta do pesquisador gaúcho, Décio Andriotti, o maestro Ion Bressan revisou a edição completa da obra de Araújo Vianna, orquestrando-a novamente. Esta versão foi apresentada por Concertos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O libreto da Ópera Carmela é da autoria de Leopoldo Brígido (1876-1947) - poeta, jornalista e dramaturgo - e a versão italiana é de Ettore Malagutti (1871-1925). Este último foi pintor, desenhista, poeta e pianista ítalo-brasileiro.

De acordo com o site da Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a Ópera Carmela nos apresenta o seguinte drama:  

“A ação, em um ato, transcorre em uma aldeia de pescadores perto de Nápoles. Ruffo avista um barco que atraca na Ilha de Capri. Dele descem o Padre e Carmela, que vem visitar a mãe. Após o desembarque ele zomba de Renzo e do amor que este sente pela jovem. O Padre o repreende, louva a bondade dela e afirma que Renzo é homem digno. Logo mais o Padre consola Carmela e pergunta as causas dos seus sofrimentos. Ela responde que são consequências de uma infância marcada por pai bêbado que maltratava a mãe. Renzo suplica que Carmela aceite seu amor, mas a ela insiste que em seu coração há lugar apenas para a dor. Após a saída de Carmela e do Padre. os pescadores se reúnem na praia ao som de uma tarantella. Ruffo, bêbado, volta a implicar com Renzo e insinua conhecer segredos de Carmela. É, então, desafiado por Renzo que, na luta, acaba traiçoeiramente apunhalado pelas costas. Mortalmente ferido clama por Carmela, que é trazida ao local. Desesperada, ela implora por sua vida e revela que sempre o amou. Renzo, tomado de profunda alegria, morre nos braços da amada”.

A Ópera Carmela, após alguns percalços enfrentados por Araújo Viana, foi al encenada no Teatro Lírico, do Rio de Janeiro, em 1906, tendo excelente acolhida pelo público da então capital do Brasil. O primo de Araújo Viana, o músico Murilo Furtado ( 1873-1958), foi  o compositor da Ópera ”Sandro” (1902), que disputava com “Carmela”, na capital gaúcha, a preferência do público que frequentava o Theatro São Pedro. Este compositor é o autor também do hino patriótico alusivo ao Centenário Farroupilha (1835-1935).

O amigo e músico Francisco Braga

 No Rio de Janeiro, Araújo Viana ficou bastante próximo de Francisco Braga (1868-1945) que sempre demostrou profundo apreço pelo nosso compositor. Em 1905, Francisco Braga compôs o Hino à Bandeira, cuja letra é de Olavo Bilac (1865-1918). Em 1928, quando veio a Porto Alegre , ele comentou sobre seu amigo já então falecido: 

“fomos grandes amigos, sempre, na vida como na arte. Fui até eu que ultimei a instrumentalização do “Rei Galaor“ que ele deixou incompleta, e fui eu quem montou e dirigiu a execução da Carmela. Sempre tive no mais carinhoso apreço o brilhante talento e o belo coração de Araújo Viana. Por isso tive uma satisfação inimaginável quando soube que havia aqui um auditório com o seu nome .“

Seus amores

Voltando à Europa, em Milão, na Itália, apaixonou-se pela filha da dona da pensão, onde ele havia se hospedado. Medea Ferrea, que também era música e tocava harpa, correspondeu aos galanteios do nosso compositor. De Milão foram a Paris e de lá seguiram para o Brasil. Em Porto Alegre, tiveram um filho chamado Eugênio. Infelizmente, após algum tempo, ocorreu a separação do casal, e Medea foi para o Rio de Janeiro, onde veio a falecer.

Antes do grande sucesso da Ópera “Carmela“, Araújo Viana havia sido convidado, em 1901, por Borges de Medeiros, para compor a marcha oficial da famosa Exposição Estadual que se realizou naquele ano. Em 22 de abril de 1908, foi criado o Instituto Livre de Belas Artes – atual Instituto de Belas Artes - cuja criação contou com o apoio do nosso compositor.

A doença

Terminada a sua união com Medea, Araújo Viana iniciou um longo romance com a soprano Olintha Braga.  A felicidade de um promissor casamento foi interrompida pela manifestação de uma patologia, que apresentava sintomas também encontrados na doença de Charcot , na  Esclerose em placas e  na Tabes  Dorsalis.

No Rio de Janeiro, Araújo Viana consultou o Dr. Austregésilo, um dos mais conceituados na época, que teria diagnosticado a presença da doença de Charcot.  Com a doença progredindo, em seu organismo, ele rumou ,em 1909, para Paris, para consultar outro grande especialista, o Dr Babinski, que não foi otimista quanto ao quadro clínico do nosso compositor.. De volta a Porto Alegre, ele não conseguia se levantar da cadeira, preferindo então terminar o seu noivado com Olintha.
  
A enfermidade apresentava momentos mais agudos e outros nem tanto. Neste ínterim, ele aproveitava para passear, embora com alguma dificuldade física. Araújo Viana ironizava quanto ao fato da doença ser conhecida, também, como “mal de artista”, pois o músico Hector Berlioz  (1803 -1869) fora acometido pela mesma enfermidade.

A Ópera “O Rei Galaor”

No salão do Jornal do Comércio (1827- 2016), no Rio de Janeiro, dia 28 de agosto de 1913, Araújo Viana esteve presente na execução da sua ópera “O Rei Galaor”. Para esta audição – versão em concerto – a ópera se reduziu apenas aos cantores acompanhados de piano e cordas, sendo executada pelo maestro Provesi. Sem cenário, Araújo Viana assistiu à sua criação de forma incompleta.  A obra foi apresentada, em sua versão cênica, em 1922, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, após completar sete anos de falecimento do nosso compositor, ocorrido em 1916. Academia Brasileira de Música escolheu Araújo Viana como patrono da cadeira nº 34.

A obra de Araújo Viana não deve ser medida de forma quantitativa, devido à doença que o vitimou antes de completar 50 anos de idade. Embora sua morte precoce, ele faz parte dos pioneiros, no campo da música, a serem reconhecidos fora do nosso Estado.  É Importante que se registre: Araújo Viana, em vida, foi admirado e aceito. Em Porto Alegre, o Auditório Araújo Viana – espaço tradicional voltado, principalmente, à música – está localizado no Parque Farroupilha, em face da Avenida Oswaldo Aranha, constituindo-se numa homenagem a este grande compositor gaúcho. 
  
Sua produção musical

No Rio de Janeiro, ele pode assistir à edição de mais de 30 composições de sua autoria, comprovando o seu sucesso. Além das óperas “Carmela” e “O Rei Galaor”, ele compôs para piano e também para canto e piano.  Já raras foram as peças que escreveu para violino e piano, violoncelo e piano, marchas orquestradas, um hino para banda e uma suíte para quarteto de cordas.  Araújo Viana falava, com propriedade, que excluídas as óperas de Carlos Gomes (1835 1896), Carmela se superou em número de apresentações.
  
O médico pediatra Olympio Olinto de Oliveira (1866-1956), que era um apaixonado pelas artes e dotado de uma primorosa cultura, fez constantes críticas, enaltecendo a obra de Araújo Viana. De acordo com o professor Círio Simon, no período de 1908 a 1920, Dr. Olympio foi presidente do Instituto de Belas Artes do Rio Grande do Sul.
  
A morte

Em 02 de novembro de 1916, - Dia de Finados - no Rio de Janeiro, no Hospital Evangélico, faleceu, aos 45 anos, Araújo Viana.  Este notável músico gaúcho faz parte da ilustre galeria dos grandes nomes da música brasileira, sendo motivo de orgulho para os gaúchos de todas as querências.

*Pesquisador e coordenador do setor de Imprensa do Musecom

Bibliografia
ANDRIOTTI, Décio. As óperas de Araújo Viana. In: Rio Grande do Sul /Aspectos da Cultura, pp 131 a 138. Porto Alegre: Martins Livreiro, 1994.
---------------------- A Música no Rio Grande do Sul / Uma Síntese Histórica. In: RS no Contexto do Brasil, pp. 151 a 164. Porto Alegre: CIPEL / EDIPLAT ,2000.
LIMA.  J. C. Cavalheiro Lima. Araújo Lima / Vida e Obra. Porto Alegre : Secretaria de Educação e Cultura, 1956.
REAL, Antônio Corte. Subsídios para a História da Música no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Movimento, 1984.
Jornais: Correio do Povo: 1902 a 1907 / Acervo do Museu da Comunicação Hipólito José da Costa.

Sem comentários: